Aquela promessa

Acordei e fiz aquela promessa

Tenho de cumpri-la, pela sanidade
Por mim, não por você nem pelo que fomos
Já não somos, não seremos
É vago? Tolo? Imaturo? Discordo. É fuga. Do luto

Acordei e sussurrei baixinho aquela promessa

A água escorreu estranha pelo rosto
Escovei os dentes com olhar absorto
Quem vejo, refletido?
O fazedor de promessas incumpríveis?

Acordei e suei frio por aquela promessa

Dirigi distraído, ouvi músicas sem sentido
Pensamento em redemoinhos
Serei forte ou falharei?
O princípio é o espinho

Acordei e já violei aquela promessa

E a violo aqui, agora
E a violarei todos os dias, sem faltar
Qual o propósito, então?
Que um dia eu a cumpra sem pensar

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s