A “Satanização” das Críticas ao Sistema Penal

“Um dos caminhos mais eficazes para conseguir a desinformação teórica é a “satanização” de qualquer crítica deslegitimante do sistema penal como “marxista”. Nos países centrais, esse qualificativo tem uma conotação consideravelmente ampla e discutida pelas diferentes vertentes que pretendem instituírem-se como as verdadeiras intérpretes de Marx. Na América Latina, no entanto, o termo “marxista” sofre uma transformação que ignora a gama de cores e matizes dos países centrais, ampliando-se seu sentido até limites absurdos de forma a designar-se como “marxista” tudo o que constitui ou ameaça constituir um contrapoder para a verticalização militarizada de nossas sociedades periféricas. De forma sucinta, “marxista” representa, na América, Latina qualquer pensamento ou conduta que, tendo ou não relação com o discurso de Marx ou com qualquer das múltiplas versões que se pretendam derivar seus pensamentos, é percebido como uma ameaça para seu poder pelos órgãos locais de controle social ou como disfuncionais para o exercício do poder periférico, pelas agências do poder central”.

Eugenio Raúl Zaffaroni, em “Em busca das penas perdidas. A perda de legitimidade do sistema penal”.

Anúncios

2 comentários sobre “A “Satanização” das Críticas ao Sistema Penal

  1. ” O discurso jurídico-penal falso não é nem um produto de má-fé, nem de simples conveniência, nem o resultado da elaboração calculada de alguns gênios malignos, mas é sustentado, em boa parte, pela incapacidade de ser substituído por outro discurso em razão da necessidade de se defenderem os direitos de algumas pessoas. Esta contradição dá lugar à difícil situação “espiritual” do penalismo latino-americano, que mantém estreita vinculação com a trágica vivência de San Manuel Unamuno, uma vez que a denúncia de seu discurso jurídico como falso pode privá-lo do único instrumento – precário, mas instrumento- disponível para a defesa dos direitos humanos de alguns segmentos sociais”.
    ( Por isso Zaffaroni é minimalista e não abolicionista penal) Gênio, gênio.

    Ob cit p. 14.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s