Até que as estrelas esfriem

De tudo, me resta a vívida lembrança, incendiada toda manhã, fértil como campo virgem, e à ela me rendo sem peleja, pois vive dentro, e por dentro me rasga.

Se do que não existiu já carrego tanto, do que houve levo-te inteira. Não te sei, e sonhei – não pouco – com o dia em que o faria, mas este jamais nasceu.

Então que ao menos o partir seja doce, que o estar foi insosso, pois não te pude provar. O mesmo sorrir que me cativou – e lembra-te de Exupéry – é aquele que deixo agora para trás, numa mulher que só tive por instante, num paraíso que só de passagem pisei.

Mas vê, menina dos olhos de gato: minha memória é daquelas perenes, para o bem e o mal. É como furar a pele para nela deixar pintura: com o mesmo sangue que marco o corpo é que tatuo a alma.

Dorme calma agora. Parto, a realidade chama. E da gente, que nunca foi nós, do uníssono que jamais foi um pretendo me lembrar só até que as estrelas esfriem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s