Os tais direitos humanos

Que tal tirar um tempinho para ler 13 páginas de bom senso? Pois foi isso que eu fiz (obrigado pela indicação, Ricardo!) e estou aqui para convecê-lo a fazer o mesmo.

O artigo que vou deixar é de Teresa Caldeira, doutora em Antropologia e pesquisadora do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). O título é “Direitos humanos ou ‘privilégios de bandidos’? – Desventuras da democratização brasileira”.

Continuar lendo

Obediência

Escuto diariamente a reprodução de opiniões. “Acho que é isso, pois ouvi isso, é o que ouço em todos os lugares. É a verdade! Todos falam, todos falam a mesma coisa. A verdade sempre é reproduzida!”. Homens que se libertaram do fardo de guiar sua consciência, e apenas acatam – quase sempre sem sequer notarem – ordens e comandos, quase sempre legitimados, às vezes nem tanto. Lei, autoridades, religião, Deus, crença, família, educação, mercado de trabalho, aparência, dinheiro, “felicidade”, “bondade”, “compaixão”. Agrilhoados por todos os lados – Homens obedientes!

Mas não seria surpreendente tal crescente característica já que a obediência humana é treinada desde os períodos mais remotos da raça humana. O homem nasceu obedecendo e procurando obedecer para sobreviver em seus clãs, ou mesmo para não ser responsabilizado em atos hostis, como em guerras. Sempre obedecendo em seus rebanhos de paz.

Continuar lendo

Documentário: A Casa dos Mortos

“A Casa dos Mortos” retrata a realidade de um Hospital de Custódia (antigos manicômios judiciais) da cidade de Salvador. Esses locais são utilizados para o cumprimento de medidas de segurança de pessoas que cometem delitos mas são inimputáveis para a lei penal, não podendo recair sobre elas a responsabilidade total pelos crimes que cometem, sendo “condenadas” à um tratamento e não à uma pena (o que na prática pode ser muito pior, como o documentário mostra).

Continuar lendo

O que é esclarecimento?

“Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo. O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de si mesmo sem a direção de outrem. Sapere aude! Tem coragem de fazer uso de teu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento”.

Continuar lendo